Categories

Mulheres Negras de luta

O dia 20 de novembro se celebra o Dia da Consciência Negra. O dia 20 de novembro foi escolhido por conta da importância da figura de Zumbi dos Palmares na luta e resistência contra a escravidão de povos de origem africana. Porém sabemos que essa discussão não deve ser apenas realizada somente nessa data e

 
Categories

Plenária final avalia “I Seminário Integrado da FURG ”

Por Diego Balinhas – APROFURG

Conversas, ensinamentos, encaminhamentos, união, desafios, angústias e desabafos. Assim pode ser definido o “I Seminário Integrado da FURG – A vida Acadêmica em Tempos de Pandemia”. Entre os dias 8 e 12 de novembro, as entidades representativas dos professores(as), técnicos(as) e estudantes (graduação e pós-graduação) juntamente com a gestão da FURG debateram várias temáticas em grupos de trabalho, como as ações de extensão e cultura realizadas durante a pandemia, o teletrabalho, a saúde mental e física de toda a comunidade universitária, entre outros assuntos.

A plenária final começou pontualmente às 19h, da última sexta-feira, dia 12, e foi transmitida no canal do youtube da FURG. Representando os(as) alunos(as), Gilberto Rech (DCE) e Fabiane Fonseca (APG), Celso Carvalho (Aptafurg), Marcia Umpierre e Sabatha Dias (Aprofurg) e a pró-reitora graduação da FURG, Sibele Martins. O primeiro momento da plenária foi marcado pela leitura de uma síntese dos grupos de trabalho, de tudo o que foi discutido em cada um dos temas. 

Sobre o tema 1 “Ensino e Aprendizagem”, assuntos como tecnologia, conflito com atividades domésticas e relações robóticas fizeram parte da síntese. “Dificuldade no uso da tecnologia, plataformas e outros recursos digitais; aparelhos eletrônicos que estragaram, desespero com a falta de conectividade e/ou quando os equipamentos não funcionam. Problemas e desafios em conciliar, no mesmo ambiente, a sala de aula e vivências pessoais, com constante sentimento de invasão. Perda do contato, do olho no olho. Invisibilidade provocada pelo excesso das telas. Reafirmação do modelo típico do capitalismo nocivo: o individualismo”, foram alguns pontos abordados pela pró-reitora de graduação da FURG, Sibele Martins, ao relatar o resumo do tema 1. 

Já o tema 2 “Saúde Mental e Física”, também destacou o conflito com as atividades domésticas e tecnologia. “Insegurança quanto à adaptação aos meios digitais; Muito tempo trabalhando na frente de um computador; Excesso de atividades acadêmicas, mais o excesso de atividades das mulheres, que acabam lidando com inúmeras outras questões. A casa que deveria ser um lugar de aconchego, acaba se tornando um ambiente de estresse pois não conseguimos separar o trabalho do descanso. Invasão do espaço particular”, explicou o integrante do DCE, Gilberto Rech.

O tema 3 tratava sobre “Pesquisa na Pandemia”. “Os prazos estendidos de realização de pesquisas não suficientes para manter a qualidade das pesquisas; prazos de bolsas não estendidos proporcionalmente; uso de tecnologias remotas não satisfatório para a participação nas pesquisas e na formação dos estudantes pesquisadores; pesquisa qualitativa afetada negativamente, assim como encontros para debate dos resultados das pesquisas; pesquisa online considerada muito desgastante”, disse a diretora da Aprofurg – Seção Sindical do ANDES-SN, Sabatha Dias.

O tema 4 era sobre “Extensão Universitária na Pandemia”. Os pontos foram abordados pela presidenta da Aprofurg, Marcia Umpierre. “ A extensão universitária não  parou durante a pandemia, em muitos casos se readaptando; Os projetos eles cumpriram com seus objetivos, com resultado satisfatório; A extensão universitária é a expressão do compromisso social da universidade com a sociedade; Os extensionistas da FURG prestaram “socorro” na área da saúde, produção de álcool, ações de segurança alimentar, etc. Extensão como essencialidade na pandemia – produção de insumos para os municípios”, comentou Marcia.

A síntese do tema 5 “Participação, Democracia e Assédio” também foi lida pela professora Sabatha Dias. “Sentimento de fragilidade, na fala de discentes, em relação a relatos feitos sobre abusos de professores. Para além, uma vez feita a denúncia, a perspectiva posta é o convívio como assediador(a). Também é registrada a existência inversa a partir das redes sociais, com publicações falsas. Também aqui aparece o racismo. O combate a estas situações pode materializar-se a partir da participação e na construção de políticas concretas de combate ao racismo, homofobia, xenofobia, transfobia, assédio moral/sexual, etc…Surge aqui a importância do fortalecimento dos movimentos sociais”, ponderou Sabatha.

O penúltimo tema do Seminário foi o “Retorno Presencial ou Híbrido, Segurança Sanitária” e foi apresentado pela integrante da Associação de Pós-Graduandos da FURG (APG), Fabiane Fonseca. “Desafios das atividades remotas: Dificuldades estruturais (espaço físico, equipamentos e conhecimento tecnológico), pedagógicas (falta de interação, materiais de estudo exclusivamente virtuais, foco na formação tecnicista) e de acesso (desigualdade social, de gênero e racial para permanecer nesse formato remoto, falta de suporte para “alunos pandêmicos. Possibilidades das atividades remotas ou híbridas: Possibilitou continuar as atividades acadêmicas sem risco de contaminação; Melhoria no desenvolvimento e uso das plataformas digitais; Possibilidade de participação em atividades acadêmicas em outros locais, sem custo de tempo e recursos”.

Por fim, o último tema discutido pela comunidade universitária foi o “Tele-trabalho”. “A tendência do teletrabalho não é nova, mas foi acelerada pela pandemia. Proporciona o corte de custos para o empregador, mas o aumento de gastos para o funcionário; O tele-trabalho causa impessoalidade e possivelmente o excesso de labor, visto que os horários ficam mais flexíveis. Exige muita autonomia. Se mescla à vida pessoal. A universidade, como uma organização complexa, não tem como absorver o tele-trabalho no conjunto de suas atividades; Impacta a coletividade e a interatividade humana negativamente”, explicou o representante da Aptafurg, Celso Carvalho.

As sínteses foram apenas alguns apontamentos discutidos em cada grupo de trabalho, através de leituras densas e vários encaminhamentos. Segundo a organização do Seminário, um relatório completo sairá em breve, que será disponibilizado no site da universidade, bem como nos perfis e sites de todas as entidades.

AGRADECIMENTOS

A parte final da live ficou a cargo dos agradecimentos da gestão e de cada uma das entidades. “Queria agradecer a todos os colegas que nos ajudaram a organizar o evento, agradecer aos colegas da mesa, um bom longo período de organização de debate para chegar nas principais temáticas, e foi um consenso esses temas, que já emergiam nos diferentes espaços, falar sobre assédio, participação e democracia, retorno presencial e híbrido, falar sobre a questão mental, quem não ficou afetado, todos nós tivemos que nos adaptar para este momento”, destacou Sibele Martins, representando a gestão da FURG.

A representante da APG, Fabiane Fonseca de despediu logo em seguida. “O evento cumpriu e mostrou que democracia e participação não se faz com formulário e sim com seminário, com participação das pessoas, e com espaços para as pessoas falarem e serem ouvidas. E agora, o que faremos? As entidades eu     não tenho dúvidas que farão luta. Fica aqui o chamado e a importância do fortalecimento das entidades, para tirar do papel e construir uma universidade cada vez melhor”, ponderou.

O DCE-FURG também ficou muito satisfeito com as discussões. “Foi uma luta construir esse espaço democrático. A gente consegue ver pelas sínteses que as respostas foram frutíferas e podem ajudar muito no retorno da universidade, que sem dúvida será muito desafiador”, explicou Gilberto Rech.

Os técnicos e as técnicas da universidade foram representados por Celso Carvalho (Aptafurg). “Queria agradecer por poder participar desse grupo, e quero parabenizar os que assistiram e participaram do evento, quero lembrar também que o seminário era aberto para toda a comunidade, e quero parabenizar esses também. Estamos de parabéns porque construímos em um ato de resistência, estamos em um período em que a universidade é atacada de todas as formas, onde a ciência não tem lugar, e a universidade sobrevive, e os movimentos resolveram dar mais um passo. Desde 2016, estamos unidos e estamos resistindo nisso”, disse Carvalho.

Para fechar o evento em nome da Aprofurg – Seção Sindical do ANDES-SN, a presidenta do sindicato destacou o espaço de diálogo criado pelos grupos de trabalho. “Quero agradecer a todas e todos, principalmente aqueles que acreditaram, as pessoas que participaram e nos emocionaram, e que este era efetivamente era um espaço de escuta, diálogo e de confissões. A gente sabe da realidade de alguns, de pessoas próximas, mas ouvir outras pessoas, que imaginávamos que existiam, e concretizando esses elementos através dos relatos foi emociante”, avaliou Marcia. A presidenta ainda trouxe alguns elementos reflexivos para a plenária final. “A palavra que eu usei muito na sala foi humanização, pois estamos desumanizados, precisamos pensar isso dentro da universidade, e estamos esquecendo esse papel”, concluiu.

 Ao término de todas as falas, uma surpresa aconteceu. O pró-reitor de Extensão e Cultura (Proexc), Daniel Prado apareceu e trouxe a arte através da música vento negro, de José Fogaça, que traz inúmeras metáforas na letra.

 
Categories

Terceiro dia tem debate sobre Participação, democracia e assédio além de Retorno presencial ou híbrido e segurança sanitária

Dando sequência ao I Seminário Integrado da FURG: a vida acadêmica em tempos de pandemia, nessa quinta- feira, 11 de novembro, houve pelo turno da tarde, a conversa sobre Participação, democracia e assédio.

O objetivo da mesa foi realizar um debater sobre participação efetiva da comunidade e democracia e suas ferramentas, além de refletir sobre as relações entre as múltiplas formas de desigualdade e suas violações, especialmente o assédio, com a ausência ou participação democrática.

Dentre os pontos debatidos pelos participantes destaca-se a participação efetiva dos estudantes nos processos democráticos e representativos da Universidade. É necessário que os espaços de representação sejam realmente equânimes e realmente transformadores.

“Participação é conversa, diálogo, sermos ouvidos, termos nossas demandas acolhidas e não apenas tornar a informação acessível. Um por exemplo, a universidade coloca um aviso no site e acha que isso é participação. Isto pode ser informação, mas não participação”, afirmou Fabiane Pacheco, representante da Associação de Pós-Graduação – APG, quando traz a discussão sobre os processos participativos promovidos pela Universidade.

Estudante de Graduação no curso de Agroecologia, no campus de São Lourenco, o estudante Juruah complementa que os processos hierárquicos que fazem parte da instituição são e estão distantes da realidade. “Há muitos espaços de diálogo, mas e as mudanças quando vem? Desses encontros que temos, o que é feito com isso? Como estudante eu faço essa pergunta”, salientou.

A partir do debate alguns outros elementos foram discutidos como por exemplo: quais limites entre assédio e violência, pois essas duas ações estão próximas e conectadas e não podem ser avaliadas isoladamente; quantos professores pretos e pretas tem a universidade?; a universidade é um espaço plural e democrático?. Perguntas e questões que precisam ser feitas e refletidas pela FURG.

A jornalista Lara Nasi, trouxe a questão da universidade ter sido uma espaço e por vezes ainda é, de privilégios, mas salienta que houve avanços importantes nos últimos tempo, porém ainda há muitas transformações a serem feitas. “Que democracia é que estamos fazendo? Temos um vazio de sentido nesse tempo, dessa palavra? Qual o sentido da participação? Essas perguntas temos que fazer e entender para responde-las. A universidade sempre foi um espaço da elite, da burguesia, e hoje avançamos, mas temos quanto tempo ainda para mudar?”, salientou.

“O assedio tem que ser combatido em todas as esferas e não podemos nos calar quando estivermos sofrendo, temos que procurar os espaços para isso, tanto juridicamente quanto administrativamente, por exemplo aqui na FURG temos um movimento junto à  APTAFURG para combater esses assédios, com grupos de discussão, cartilhas entre outros”, afirmou o técnico Edi Júnior sobre os processos de assédio moral que enfrenta dentro da Universidade.

Dando sequencia ao seminário aconteceu no turno da noite a mesa Retorno presencial ou híbrido e segurança sanitária, que teve como objetivo discutir sobre como as tecnologias digitais impactam os processos de ensino-aprendizagem, além de debater a importância do trabalho docente e que esse não é substituído pelas tecnologias. O debate sobre o tema teve grande repercussão pois ideias de que a volta ao retorno presencial já foi afetada pelas vivências de todos e todas durante a pandemia e que as tecnologias não substituirão o docente, porém elas terão um papel fundamental no processo de ensino.

 
Categories

Ocupação dos espaços políticos pela juventude, mulheres e negros

No Paralelo 30 desta sexta-feira, 12 de novembro, teremos um papo sobre Ocupação dos espaços políticos pela juventude, mulheres e negros. Para essa conversa iremos receber Joice Eslabão, 25 anos, mulher, feminista, presidenta do Partido Comunista do Brasil - PC do B e professora de história; além de Carlos Eduardo Pereira de Quadros, secretario de

 
Categories

Seminário Integrado da FURG : a vida acadêmica em tempos de pandemia

O Paralelo 30 irá fazer uma cobertura especial do I Seminário Integrado da FURG : a vida acadêmica em tempos de pandemia e assim teremos uma edição especial na quinta-feira, 11 de novembro. O I Seminário Integrado da FURG. Organizado pelas entidades representativas das categorias da Universidade, APTAFURG (Técnic@s em Educação), APROFURG – Seção Sindical

 
Categories

Pesquisa na Pandemia é tema de debate entre a comunidade acadêmica da FURG

Por Tiago Collares

Uma roda de conversa on-line sobre pesquisa na pandemia deu continuidade as discussões do I Seminário Integrado FURG – A vida acadêmica em tempos de pandemia, na manhã desta quarta-feira (10).Mediado por Letícia Falcão, graduanda de Agroecologia pela Universidade Federal do Rio Grande, Campus São Lourenço do Sul, o GT proporcionou a reflexão e um amplo debate sobre o tema a partir do relato de experiências acadêmicas no contexto da Covid-19.

Um público bastante diverso contribuiu com a plenária, que contou com a presença de pessoas que estão iniciando a sua trajetória acadêmica em um curso de graduação, na pesquisa acadêmica, técnicos administrativos em educação, além de professoras e professores com mestrado e doutorado, que expuseram o quanto o trabalho à distância impactou no desenvolvimento das suas pesquisas.

“Fiquei curiosa em saber como se desenvolveram as pesquisas das pessoas neste momento da pandemia”, comentou Bruna Alfenas, graduanda do primeiro ano de Artes Visuais Bacharelado da FURG, ao justificar a sua participação no encontro. Isabella Araújo, graduanda de Comércio Exterior no Campus Santa Vitória do Palmar da FURG, destacou a mesma expectativa. “Estou aqui para ouvir o que vocês tem para falar. Observar as experiências. Não participo de nenhum grupo, mas me interessei pelo debate por conta da elaboração do meu TCC, que já é uma pesquisa”, pontuou.

As alunas, que também destacaram a atualidade do tema em discussão, reforçaram a importância de espaços de diálogo como os propostos pelo seminário, especialmente, para quem está ingressando na universidade e, consequentemente, na pesquisa acadêmica.

Professora dos cursos de Educação no Campo e Letras do Instituto de Educação do Campus São Lourenço do Sul da FURG, Janaína Lapuente resumiu a pesquisa na pandemia como “um momento de efervescência”. Na sua fala compartilhou alguns resultados de uma grande rede organizada pelo grupo de pesquisa Alfabetização e Letramento, ao qual faz parte, que reuniu 29 universidades para o estudo do ensino remoto e da Política Nacional de Alfabetização. Segundo a professora, uma articulação que envolveu pesquisadoras e pesquisadores do Brasil inteiro, no formato on-line, e que contou com um retorno de mais de 15 mil docentes que responderam os questionários aplicados. Uma das conclusões foi o aumento da carga de trabalho. “A casa é viva e chama outras demandas”, argumentou a professora.

Ozelito Amarante Junior, professor do Instituto de Oceanografia da FURG, fez uma síntese das dificuldades das pesquisadoras e pesquisadores, especialmente, daqueles que dependem de análises de campo. Pesquisador na área de contaminantes emergentes, como fármacos, perfumes, filtros solares e pesticidas, relatou os desafios para a coleta e análises de materiais no período pandêmico. A cobrança e a necessidade de adaptações ao chamado “novo normal” também foram destaques na sua manifestação, em tom de desabafo. “Minha área é campo e não tinha a menor condição de fazer isso. Os níveis de exigência e de cobrança continuaram os mesmos na pesquisa acadêmica, apesar das dificuldades e cuidados necessários impostos pela pandemia. Transformei um quatro de hóspedes em escritório de trabalho, mas tem muita gente que não conseguiu fazer isso. Para muitos, o escritório de trabalho foi a mesa de jantar que dividia com a família”, concluiu.

O técnico administrativo em Educação, Edi Junior, lotado no Instituto de Oceanografia, acompanhou o relato do seu antecessor e ressaltou os obstáculos vivenciados pelos servidores e servidoras. “Tive dificuldades, no início, com a mistura da casa com o trabalho. O retorno ao modelo presencial me deu um fôlego! Vou para a universidade e resolvo as coisas tudo lá. O meu trabalho é essencialmente presencial”, salientou. O servidor também afirmou que, no modelo remoto, a carga de trabalho era maior. “A elaboração das vídeo-aulas, por exemplo. Para mim, era trabalho dobrado ou triplicado. Preparar, gravar, editar a aula. O que ocuparia, talvez, um turno em uma condição normal levava dois, três dias para finalizar o material”, finalizou.

A síntese das manifestações do GT foi compilada em um relatório, que será encaminhado e apreciado pela universidade.

 
Categories

Atualizações Sindicais

No Paralelo 30 desta quarta-feira, 10 de novembro, teremos mais uma edição do quadro Atualizações Sindicais. Iremos receber os novos coordenadores de Divulgação e Imprensa da APTAFURG, Maria de Lourdes Lose, Lara Nasi e Carlos Eduardo Pereira de Quadros. Nesse programa vamos conversar sobre os desafios da comunicação no Sindicato e nas formas de se

 
Categories

Observatório dos Conflitos

No Paralelo 30 desta segunda-feira, 8 de novembro, teremos mais uma edição em parceria com o Observatório dos Conflitos do Extremo Sul do Brasil y Este del Uruguay. Neste encontro, o tema escolhido é “A Educação Pública: Escola e universidade, sob ataque dos empresários e seus governos". Para fazer este debate, estarão conosco Marco Mello,

 
Categories

Segundo dia de Seminário Integrado tem debate sobre Ensino e Aprendizagem e Saúde mental e física

Começou na última segunda-feira, 8 de novembro, o I Seminário Integrado da FURG. Organizado pelas entidades representativas das categorias da Universidade, APTAFURG (Técnic@s em Educação), APROFURG – Seção Sindical do Andes – SN (Docentes), DCE (Estudantes de graduação) e APG (Estudantes de pós-graduação) e reitoria, o evento tem como objetivo promover a discussão sobre as experiências vivenciadas na universidade, com atividades presenciais e remotas, no período da pandemia de COVID-19.

O Evento é consultivo e não deliberativo, e há uma grande importância para os debates de todos os sujeitos que fazem parte da comunidade universitária, pois a partir desses será possível realizar uma avaliação desse momento.

Na terça feira aconteceram duas mesas temáticas: Ensino e Aprendizagem e Saúde mental e física. Os participantes foram divididos em oito salas com em média de 50 pessoas em cada uma. 

Na mesa sobre Ensino e aprendizagem, realizada no turno da manhã, foram discutidos o contexto do ensino remoto e suas implicações nas atividades de ensino e de aprendizagem, a interação ‘virtual’ entre professor(a) e aluno(a) e as (im)possibilidades de aprendizagem e de formação humana e profissional críticas. Além dessas questões foram debatidas como as condições objetivas e subjetivas relativas ao trabalho educativo no período da pandemia e suas implicações para o ensinar e o aprender foram realizadas e quais foram os desdobramentos e resultados percebidos pela comunidade. 

No turno da tarde aconteceu a mesa temática Saúde mental e física. O objetivo da discussão foi dialogar sobre os desafios enfrentados pela comunidade acadêmica envolvendo sua saúde mental e física.

Dentre as diversas discussões que foram realizadas pode-se destacar a saúde física e menta, quel são integradas, coletivas e devem ser compartilhadas. Não significa que a preocupação de estar bem individualmente deva ser sobreposta ao bem-estar coletivo, pois esse deve ser protagonista. Diversos depoimentos, consensualmente, trouxeram o sofrimento das famílias, ocasionado pela COVID-19, e que além da pandemia, houveram outros fatores que provocam esse sofrimento como a crise econômica que milhares de pessoas vem enfrentando, a crise ambiental e tudo isso conectado levando à uma crise da saúde física.

Outro elemento que permeou os debates foi os benefícios e malefícios das tecnologias. Algumas perguntas sempre são feitas e precisam ser debatidas:  Qual o grau de adoecimento que foram vividos nesse período quando somos atravessados pelas tecnologias? Estamos juntos de quem está afastado quando estamos conectados, mas estamos separados de quem estamos próximos? É possível realizar diversas atividades ao mesmo tempo? Quando estou em uma reunião online, é saudável, ao mesmo tempo responder diversos e-mails, responder demandas de atividades, corrigir provas ou atender estudantes via aplicativos de mensagem? Até que ponto é possível fazer tudo isso com saúde mental e física? Essas perguntas foram mencionadas diversas vezes por quem estava participando do seminário e, certamente, também é feita por diversos sujeitos inseridos nesse processo. 

“Não temos mecanismos que nos permitam evitar o adoecimento das pessoas, fazer mais em menos tempo, há de existir um limite. É necessário que a universidade limite o tempo de trabalho dos servidores, não permitir, não incentivar que possa ter um trabalho com horário demasiado, e se tornando natural. Não podemos naturalizar o trabalho na madrugada, fora do horário de carga de trabalho. É necessário perceber a complexidade desse trabalho. Tem de haver um limite para que cada semestre o estudante possa ter uma carga horária adequada e sem uma quantidade imensa de disciplinas, pois dessa forma não há tempo de reflexão, de diálogo, de leituras e assim prejudicando o aprendizado”. Essa fala traz um bom resumo do impacto desse tempo pandêmico na saúde mental e física dos indivíduos. 

Como afirmam diversos participantes é necessário limitar o volume e racionalizar os espaços de trabalho, tanto de docentes, técnicos e estudantes, pois essa rotina de trabalho sem limites não tem efeitos positivos.

Nesse sentido é que surge um outro questionamento: E o retorno, como será? Que recursos teremos para se lidar com as questões de saúde como depressão, questões psicológicas, pois há uma necessidade real, concreta, pela busca de auxílio profissional e, como a Universidade está se preparando para esse momento?

Há um consenso no debate de que será necessário um grande aparato de profissionais da área da saúde para que o retorno presencial aconteça de forma equilibrada e tranquila. É urgente que a universidade pense e dialogue com as pessoas impactadas nesse processo e assim dessa forma mitigue os problemas que serão enfrentados nesse retorno, seja presencial ou híbrido, em um determinado momento.

PROGRAMAÇÃO

Amanhã, dia 11 de novembro, penúltimo dia do seminário, os grupos de trabalho vão discutir dois temas: “participação democracia e assédio” e “retorno presencial ou híbrido, segurança sanitária”.

 
Categories

Entidades representativas e reitoria dão início ao I Seminário Integrado da FURG

Por Diego Balinhas – APROFURG

A atividade começou na noite de ontem, dia 8 de novembro e se estende até a próxima sexta-feira, dia 12. 

Uma construção coletiva que começou há mais de cinco meses teve início na noite desta segunda-feira, dia 8 de novembro. O “ I Seminário Integrado FURG – A vida acadêmica em tempos de pandemia” é uma realização das entidades representativas dos professores(as), técnicos(as), estudantes e pós-graduação, juntamente com a reitoria da universidade. Mais de 500 pessoas fizeram as inscrições para participar dos debates até o dia 12 de novembro.

Para dar início às atividades, o reitor em exercício da FURG, Renato Dias foi o primeiro a se manifestar na mesa de abertura, que teve transmissão ao vivo pelo canal da universidade no youtube. “A FURG se soma às entidades para pensar este período pandêmico que a vida acadêmica enfrenta desde março do ano passado”, destacou Dias. 

Dias disse ainda que a sociedade como um todo, juntamente com as tarefas na FURG foram atravessadas por esse movimento inimaginável, que transformou as atividades de um formato presencial para o modelo remoto. “Esse modelo emergencial de atividades remotas trouxe uma série de desafios, e através deles decidimos juntamente com a Aprofurg, Aptafurg, DCE e APG dedicar um momento para pensar e avaliar os nossos fazeres cotidianos, pessoais e profissionais”.

Já a mesa de abertura do evento contou com a presença da representante da Associação de Pós-Graduandos FURG (APG), Gislene Portugal, da professora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Amanda Moreira, da professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Maria do Socorro Oliveira e da advogada Maria Letícia Sampayo Pontes. A estudante da FURG, Samantha Loeschener também iria participar da abertura mas teve um contratempo.

A presidenta da APROFURG – Seção Sindical do ANDES-SN, Marcia Umpierre conduziu a mesa composta só por mulheres. “O seminário é algo que estamos trabalhando desde junho deste ano, e a nossa proposta é de escuta. Nós queremos ouvir a comunidade da FURG, levantando questões para pensar e repensar. A nossa ideia é a partir deste primeiro encontro repetir em um segundo seminário, para aprofundar o debate”, disse Marcia. 

A primeira a falar sobre as suas angústias e os seus anseios foi a doutoranda em educação ambiental da FURG, Gisleine Portugal. “Não temos como falar somente da vida acadêmica, nós também temos que falar sobre a organização familiar, a vida social, as condições psicológicas, enfim, são muitos elementos levantados no debate. Até porque isso é um assunto muito novo, e nós não tivemos tempo de entender como tudo isso funciona. Eu considero esse seminário um momento de respiro, um momento muito importante para olharmos com calma todos os passos ao longo deste um ano e meio de distanciamento social”, explicou Gisleine.

A doutoranda lembrou ainda outros impactos da pandemia sobre os alunos e alunas. “Tivemos um impacto financeiro com a falta de reajuste das nossas bolsas, além dos impactos da nossa saúde mental. O ensino remoto foi visto como uma alternativa, mas tivemos que passar pela familiarização das mais diversas tecnologias, ferramentas virtuais, e isso ocasiona muitas tarefas e pouca aprendizagem e diálogo”, destacou.

O segundo momento de fala ficou a cargo da advogada Maria Letícia Pontes, que iniciou comentando sobre democracia e ser humano. “A minha área é diferente das outras mulheres que compõem a mesa, mas eu acredito que possa contribuir para o debate, principalmente quando falamos sobre democracia, participação e assédio moral. A palavra democracia me contagia e me movimenta enquanto ser humano, e já que estamos falamos de ser humano, não existem dúvidas que a pandemia foi muito impactante para todos nós”, lembrou Maria.

A advogada munida de um dos seus instrumentos de trabalho, a Constituição Federal de 1988 lembrou vários artigos que ressaltam a importância das pessoas. “O artigo primeiro da constituição cita o estado democrático de direito e salienta em um dos seus incisos a dignidade da pessoa humana, e é isso que tem que ser pensado e trabalhado”, complementou a advogada.

Maria explicou também sobre questões do assédio moral, durante a pandemia. “O que se revela é que o assédio moral era utilizado como ferramenta de gestão e não só entre os servidores, pois existem várias vertentes do assédio. Por isso ele é tão difícil de ser combatido. Já existem políticas de combate ao assédio, mas ao meu ver ainda são muito discretas. E durante o ensino remoto, o assédio parou? Acho pouco provável, pois a dinâmica ainda continua sendo de poder”, disse a advogada.

O terceiro momento da mesa de abertura do “I Seminário Integrado FURG” foi dedicado à docente da UERJ, Amanda Moreira, que trouxe a realidade vivida por ela durante a pandemia. “Depois de 20 meses de pandemia, o futuro retorno presencial ou presencial parcial, variando de universidade para universidade, tem que ser discutido e debatido”, disse.

A professora lembrou que o ensino remoto surge em um momento de profundo ataque às universidades públicas. “Hoje temos uma perspectiva caótica, com a aprovação da EC 95 – que congelou os gastos públicos por 20 anos – e agora o aprofundamento da pauta ideológica, a partir de 2019 com o governo Bolsonaro, e principalmente o ministério da educação que vê as universidades públicas como inimigas”.

Os dados de uma pesquisa realizada pela Associação de Docentes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Asduerj), que fez um diagnóstico sobre o processo de ensino e trabalho remoto e os impactos na saúde docente, trouxeram uma realidade assustadora para os que participavam do evento.

Cerca de 45% dos docentes trabalharam entre 9h e 12h, durante a pandemia e mais de 14% respondeu que trabalhou mais de 12h por dia, lembrando que a carga horária máxima dos docentes é de 40 horas. Outro dado pincelado pela professora da UERJ e apresentado na conversa foi que 35% dos docentes trabalhavam sempre aos finais de semana e 36% eventualmente, durante os fins de semana e feriados. “Comparado a períodos pré-pandemia, 71% dos docentes disseram que o trabalho aumentou e 90% disse que tem a impressão que o tempo não é suficiente para cumprir as demandas. 33% dos docentes acessaram a caixa de e-mail mais de 10 vezes no dia e 47% acessaram mais de 10 vezes aplicativos de mensagens”, explicou a professora.

A última fala da noite de ontem foi da professora da UFRPE, Maria do Socorro Oliveira. A docente que também ocupa um cargo de gestão na universidade trouxe a sua perspectiva sobre todo esse processo. “ Nós nunca paramos, as universidades sempre continuaram trabalhando, quando nós suspendemos os calendários acadêmicos foi para apenas achar alternativas em um contexto sanitário de uma pandemia”, relatou.

Maria do Socorro disse ainda que escuta muito dos colegas que o trabalho durante a pandemia foi bom, pois isso vai permitir avançar nas tecnologias. “Eu tenho muitas dúvidas sobre tudo isso, será que realmente teremos uma universidade melhor? Será que isso será positivo? No mínimo temos que ter muita reflexão sobre os meses de trabalho durante a pandemia. Vale lembrar que essa reflexão não chegou ao conselho nacional de educação. Nós esperávamos que saísse uma orientação sobre o retorno gradual, progressivo, com segurança sanitária, biológica, pedagógica e simplesmente essa questão do ensino híbrido foi totalmente ignorada”,  concluiu a professora.

PRÓXIMOS DIAS

A programação dos próximos dias é inten e extensa. A partir desta terça-feira, dia 9 de novembro, até o próximo dia 12, um conjunto de mesas vai ocorrer de forma online, apenas para os(as) inscritos(as) no Seminário. Esses grupos de trabalho serão divididos por dia e vão abordar assuntos como participação, democracia e assédio, teletrabalho, pesquisa na pandemia, saúde mental e física, ensino e aprendizagem, entre outras pautas. No último dia do evento, 12 de novembro, a programação também conta com uma plenária final, às 19h, que terá transmissão pelo youtube da FURG.